Diário de Estágio

Este é um blog dedicado a pensamentos e devaneios, ideias que brotam na mente de um estagiário que por vezes se encontra à frente de um computador sem nada mais para fazer...

2005/10/07

Adeus que me vou embora!!!

Pois é.

Adeus que me vou embora!

Deixem-me que recorde este "faduncho" para anunciar que o meu estágio acabou.

Acabou.

E a "dolce vita" na capital também está a terminar. Está tudo a terminar e pelo caminho ficam cerca de 18 anos de uma intensa vida de estudo (não foi só estudo, claro!!!).
Agora é ver onde este novo caminho me leva. Cheguei ao fim deste caminho e àquela bifurcação que todos nós, pelo menos uma vez na vida, alcançamos e que obriga a fazer escolha de novo caminho a seguir.
Agora vou.
Pela direita? Pela esquerda? Pelo meio?
Não sei. Para já, não sei.
O momento é de descanso, alegria e realização pessoal.

Daqui a uns dias, talvez...Talvez já tenha decidido que caminho seguir.
As hipóteses são muitas: continuar estudos, trabalhar noutra área, ficar à espera de emprego nesta área, estrangeiro...
Todas me parecem boas decisões, mas todas me parecem algo confusas.
Com segurança, mas algum receio vou escolher!

Depois é gostar e continuar ou aguentar!!!

Espero um dia poder voltar (não como estagiário, claro!) a esta redacção que tão bem me acolheu e que muito me ensinou!

O meu maior abraço e, como diria o Herman José antes de se tornar no "bichano" que é actualmente:

"NÃO PERCAS A ESPERANÇA, A VIDA É BELA!!!"

P.S.: Finalmente um post a sério! Foi preciso chegar ao fim para isto acontecer! Se bem que ainda acho que a culpa é do eclipse!

2005/09/23

Diário de Estágio (II)

Antes de mais, devo pedir desculpa aos meus colegas de blog e aos leitores pela minha ausência neste espaço...

O meu estágio tem corrido muito bem, felizmente. O jornalismo económico é mais interessante do que antes julgara, não sendo o "bicho de sete cabeças" que muitos estudantes de comunicação social e jornalismo julgam. Tenho aprendido imensas coisas novas, que me enriquecem enquanto (futuro) profissional e enquanto cidadão.

Aprendi como funcionam os mercados internacionais de petróleo e outras matérias primas. Aprendi como abordar questões de política monetária e orçamental dos governos, a escrever sobre bancos centrais, fixação de taxas de juro, resultados de empresas ou sobre o mercado bolsista.

E agora que falta menos de um mês para o fim do estágio, que planos tenho para o futuro?

Creio que estes se resumem a uma palavra apenas: lutar. Não conto ficar sentado no sofá, à espera que as oportunidades caiam do céu, ou limitar-me a enviar currículos para potenciais empregadores. Há que ir à luta! Se não encontrar oportunidades na minha área, tentarei noutras; e se estas escassearem, ou não me agradarem, tentarei viajar para outro país onde me seja dada oportunidade de dar o meu melhor.

Ao longo dos últimos anos, os meus pais esforçaram-se imenso para me pagar os estudos. É meu dever fazer o possível para começar a sustentar-me o mais depressa possível, nem que tenha de trabalhar na mais humilde das profissões. Pois o trabalho, quando honesto, é sempre digno.

2005/09/20

Dia Nacional da Imprensa

Só para assinalar a data. Marquem nas agendas:

Dia 20 de Setembro é o Dia Nacional da Imprensa.

Achei por bem mencionar o facto até porque tenho quase a certeza que pouca gente tinha conhecimento.

Agora, expliquem-me o seguinte:

Comemoração do Dia Nacional da Imprensa. Conferência dedicada ao dia organizada pela Associação Portuguesa de Imprensa.

Porque razão esta Associação, que tanto empenho e acerto demonstrou na escolha do local para realização da conferência e que se esmerou na organização da mesma, apresenta os mesmo oradores e mesmos temas para a manhã e para a tarde?

Não havia mais ninguém disposto a fazer uma pequena apresentação? Ou os valores pedidos pelos "nobres" oradores eram demasiado elevados?
E que tal apresentar umas conferências mais interessantes e com maior utilidade, não era bom?
É que fartos de publicidade já nós andamos.

Se não vejam:
Vai o representante de uma famosa empresa detentora de algumas publicações e limita-se a "puxar a brasa à sua sardinha", como o povinho costuma dizer. Logo depois, outro representante de outra empresa detentora de algumas outras publicações apresenta-se frente à plateia e...sai mais uma dose de publicidade gratuita (às "excelentes" publicações da empresa) para a mesa 7!!!!

Oh pazinhos! Já tinha comido uns bolitos no coffee break, não era preciso virem com mais!

Assim não dá!!!

O tema escolhido para as conferências até era interessante. A organização estava muito boa (se bem que as cadeiras eram um pouco para o desconfortáveis). O espaço físico era lindíssimo. A audiência também não era má (estavam lá duas ou três que coisa e tal!!!), cerca de 50 pessoas, talvez.

Ah! E ainda tinhamos ao nosso dispor uns anuários, uns jornais do dia e umas revistas (se bem que me fizeram lembrar as que se encontram nos consultórios médicos, ou seja, estavam completamente desactualizadas. Meses de atraso mesmo!).

Não terá sido possível encontrar melhores oradores? Ou pelo menos "obrigá-los" a falar sobre o assunto? E os moderadores dos debates? O primeiro ainda vá lá, mas o segundo parecia que ía "parir" um boi. Nervoso como tudo, parecia não saber qual a sua função, enganou-se duas ou três vezes nos nomes dos oradores (talvez por não os conhecer, quiçá!) e falava assim como que aaahhh como é que hei-de dizer mmm aaahhh bolas, não me lembro aaaahhhh (acho que já deu para perceberem!). A falta de preparação e habituação era demasiado notória.

A iniciativa é boa, muito boa mesmo, espero que continue.

Agora, também espero que em futuras comemorações do Dia Nacional da Imprensa se crie algo mais agradável, mais útil e que valha a pena ouvir.

Já agora cá fica o abraço e o belo do beijo para as meninas que são todas minhas primas!

eheheh!Até rimou!


P.S.: E, como se diz na minha terra e como quase todo o português sabe, quanto mais prima mais se lhe arrima!!!

2005/09/05

Ah! Já me lembrei!!!

E eu pergunto-me (respondam-me...se souberem!):

- O que é que me faz deslocar a um hotel de 5 estrelas da capital para ouvir, durante cerca de uma hora, o "grande" fundador da Igreja Maná a dizer barbaridades cada vez que abre a boca?
- O que é que me faz estar,a esta hora, a trabalhar completamente cheio de sono e com uma incrível dificuldade em manter os olhos abertos?
- O que é que me faz ter que ir à apresentação de certos programas de televisão que em nada me agradam (do género do "Batalhão Gay" e do "Senhora Dona Homossexual")?
- O que é que me faz ir à apresentação da grelha de programação de um canal infantil?
- O que é que me faz aguentar esta monotonia de chegar ao trabalho às 11 horas da manhã e só começar a trabalhar lá para as 16h30?
- O que é que me faz ter de almoçar todos os dias nos mesmo locais, ver as mesmas pessoas, sentir os mesmo aromas, etc.?
- O que é que me faz andar tanto de táxi (e falar com os taxista, claro!) e outros transportes públicos?
- O que é que me faz passar parte do dia a falar ao telefone?
- O que é que me faz estar outra parte do dia sem fazer nada de mais?


Ah!!!
Já me lembrei!!!


É a vontade de ser JORNALISTA.


P.S.: Para terminar deixo esta pergunta para a qual ainda não encontrei resposta:

- O que é que me faz andar aos saltos tipo um zé-sempre-em-pé e a cantar tipo a Dina (não sei se se recordam dela!), em festas completamente descontextualizadas daquilo que deveriam ser e, ainda por cima, organizadas por quem não me interesso?

Se souberem a resposta a esta pergunta digam qualquer coisa. Se não souberem inventem algo, mas digam qualquer coisa na mesma.


Abraços aos Quinzinhos e beijos às Ermelindinhas (se mo permitirem, claro está!).

2005/09/02

É o fim....

Hoje termina mais uma etapa da vida deste vosso “projecto" de jornalista. Cerca de três meses depois de chegar a esta redacção, abandono o "meu" espaço, como se tivesse estado cá vários anos. De mochila, para levar o resto das coisas que aglomerei nestes meses de trabalho (sim, não sou nenhum modelo de arrumação), nas costas vou abandonar esta redacção, apesar de manter esperanças de um dia cá voltar. Saio feliz, tive oportunidade de escrever imenso, mais de 120 textos publicados, aprendi muito, desde escrever melhor até regras básicas de escrita jornalística....De momento, vou-me dedicar ao relatório de estágio. Quanto ao futuro…


Até qualquer dia

Finalmente!!! (Ou não)

Finalmente um dia mau no estágio!!!

Não. Não é o que estão a pensar. Não me "levei" nas orelhas, nem fiz asneira.

O mal vem da conjunção de uma série de aventuras e/ou desventuras.

Passo a explicar.

Ontem, eu mais uns meninos e umas meninas fomos à reabertura de um conhecido espaço de lazer em Lisboa (até altas horas, claro!).

Consequência: dormir pouco e mal.

Imaginem (até porque, quase de certeza, já passaram por isso!) que se deitam por volta das 5 horas da matina, já com uns copitos no saco e um cansaço que se tem vindo a acumular desde o fim de semana anterior.

Já estão a ver o filme? Ainda bem!

Continuando...

A esta "pequena" questão de horas (de sono, obviamente) adicionem outra ainda mais "ínfima" questão: uma dor de dentes...

Mas não uma dor de dentes normal, "aquela" dor de dentes.

Foi preciso vir para esta cidade para conhecer a dura realidade da dor de dentes!

24 anos e uns meses sem nunca ter padecido de mal tão ruim e eis que, estando apenas dois meses fora da "terrinha", lá vem a maleita que me apoquenta!

Já agora expliquem-me uma coisa:

Acham isto normal? Está mau de mais! Hoje acho que ...

2005/08/24

Dúvida existêncial

Alguém me pode explicar?

Porque é que se chama mortadela e não se chama vivadela???

Bela vida a de jornalista!

Se não concordam com o título deste post, leiam as situações que a seguir descrevo (presenciadas diariamente in loco aqui pelo jovem estagiário) e depois digam de vossa justiça.

Existem diferentes tipos de jornalista, assim como existem diferentes tipos de jornais e de notícias. Vou apresentar alguns dos exemplos de jornalistas que tenho observado nos últimos tempos.

O "exemplar":

É aquele jornalista que chega à redacção 10 a 15 minutos antes da sua hora de início de mais uma jorna. Almoça durante cerca de uma hora e chega à redacção, para a sua parte do trabalho da tarde, com cerca de 5 minutos de antecedência. Acaba o seu dia de trabalho 10 minutos antes da hora para que à hora certa (que é aquela estipulada no contrato de trabalho) esteja a evacuar o edifício. - É difícil, ou mesmo impossível, encontrar este tipo de jornalistas no meu local de estágio (e acredito que em todos os outros locais também.)

O "baldas":

É aquele que chega à redacção às 16 horas (isto quando aparece). Monta o seu estaminé (sim porque vem todo artilhado), o que significa cerca de meia hora, e após este cansativo e produtivo trabalho, vai tomar um cafezinho ou lanchar, isto por volta das 17 horas. Volta ao local de trabalho meia hora ou quarenta e cinco minutos mais tarde, perto das seis horas, senta-se na sua cadeirinha e faz telefonemas a um ritmo alucinante. Mãe, pai, esposa, namorada, filha, filho, primo, amigo do pai do primo do tio do colega ou até mesmo a/o amante recebem telefonemas sucessivos. Esta delicada operação, que tem a duração de cerca de meia hora, é o sinal de que está preparado para ir embora. Às 19 horas, e após umas extenuantes e árduas 3 horas de "trabalho", é ver o "baldas" a bazar do place.

O "borgas":

Ora aqui está um exemplo que até acho interessante. O "artista" chega à redacção aí umas horas antes de ela abrir. Estaciona o potente bólide e lá vai ele alapar o rabinho na cadeirinha e os pés em cima da secretária. Quando o pessoal começa a chegar, é vê-lo cheio de pedalada, como quem meteu uns speedzitos (vocês percebem!), a animar a malta. Ele canta, berra, mostra os seus dotes de DJ (os últimos êxitos pimba e outras que tal, é só o que ouvimos!), goza com tudo e com todos, brinca, passeia... Resumindo e concluindo, ele é a animação, a alma cá do sítio. Chega às 16h30 adeus que se faz tarde!!!

O "pintas":

É aquele ser com uns tiques efeminados que anda a circular, por toda a redacção, como se estivesse numa passagem de modelos. Camisinha e calcinha topo de gama, cabelinho acabado de tratar lá no "Beauté" (ou qualquer coisa do género) e lá vai ele todo gaiteiro. Trabalho??? Nem vê-lo!!!

O "desportista":

Apesar de não ter nada a ver com desporto (até porque a massiva compleição física não ajuda), o "bicho" passa o dia a jogar um futebolzito entre computadores e secretárias e monitores. Chuta a bola contra o "adversário" e corre a esconder-se (com aquele risinho que vocês conhecem) para não sofrer represálias. Vai trabalhando nos 15 minutos de interregno entre cada partida de futebol.

O "eu-trabalho-que-me-farto-e-não-recebo-nada-por-isso-além-de-um-mísero-subsídio-de-refeição-que-me-obriga-a-comer-apenas-sandes-de-torresmos" ou, para simplificar, o "estagiário":

É o verdadeiro artifície da redacção. Chega à redacção à hora marcada (se bem que ainda tem direito à meia hora de tolerância académica). Começa o dia de trabalho por ler tudo e mais alguma coisa numa busca incessante de informação. É jornais, revistas, folhetos, boletins, pasquims (sim, também lemos o 24 Horas!)... tudo lhe passa pelas manápulas ávidas de conhecimento. Depois vai ver os mails, ler as notícias online, ler os telexes...
Vai almoçar e tem 2 horitas de descanso restaurador. Regressa à base e TOCA A TRABALHAR. É escrever notícias e mais notícias a um ritmo alucinante. As edições ficam prontas para mais de um mês. Hora de saída do trabalho - não tem (mas no dia seguinte lá está ele à horinha marcada!).

Agora digam-me lá qual se não é uma boa vida (para quem já está lá dentro) e contem-me qual é o vosso tipo de jornalista preferido e, se não for pedir muito, apresentem-me mais tipos de jornalistas.

Eu cá, quando for grande, acho que vou ser um bocado uma mistura do "baldas" com o "borgas" regado com um fiozito do "desportista".
Não sei porquê, mas cheira-me que sim.

Beijinhos e abraços (conforme o género sexual e o estado civil!!!).

2005/08/18

Esquecimento

Este blog encontra-se numa fase de precariedade. Durante as duas últimas semanas não recebeu novidades, não apresentou textos. É triste, podem pensar que foi deixado ao abandono pelos seus membros, ou podem pensar que eles têm tanto trabalho que não conseguem arranjar tempo para escrever...Sinceramente acho que é um misto...aliado a uma falta de inspiração, que se pode perder quando vemos as ideias para textos expostas noutros espaços, e aí perdemo-nos em comentários. Não quero justificar a ausência de posts, apenas pedir desculpa por ela, prometo que em breve serão recompensados...Não é malta?

2005/08/04

Resumo

Calor! Comércio do Porto. Calor! A Capital. Calor! DN. Calor!

Esta semana tem sido pródiga em acontecimentos nos “media”, o que se passa neste país?
Entretanto, os "sogros" chegam este fim-de-semana, os pais vêm cá novamente e o estágio está quase a acabar...

"A proximidade do fim", realça as incertezas do futuro...o quanto gostaria de arranjar trabalho nesta área...